Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delicate Notes

As memórias são para ser partilhadas

Guia-de-como-sobreviver-à-custa-dos-outros

Há situações que me deixam bastante irritada e que me levam a reagir precipitadamente, a explodir e a arrepender-me. Mas sou a primeira pessoa a ir pedir desculpa sempre que algo do género sucede e não tenho problemas em fazê-lo. Aliás, o único motivo pela qual não gosto de pedir desculpa é porque o deveria ter evitado. Mas quando as minhas atitudes não são as melhores, sou a primeira a admitir. Este ano letivo ocorreu uma situação que exigiu um pedido de desculpas, que em parte não sei se deveria ter pedido, mas foi o melhor. 

Se há coisa que me deixa fora de mim é pessoas que não são autónomas o suficiente e a falta de consciência pelo trabalho dos outros. É que independentemente de estar cansada, esforçei-me para fazer um trabalho o melhor que podia e para o poder entregar no prazo, que é o meu dever. Enquanto que outras pessoas a essa hora já estavam no seu terceiro sono. Mas depois pedem-me as respostas e dizem "ah, não te preocupes, eu mudo as palavras e pronto." Mas o que é que "mudar as palavras" vai compensar o trabalho que eu tive, o tempo que dediquei a isso em vez de estar a dormir ou a estudar? Uma coisa é dispensar um TPC, eu própria às vezes peço um ou outro, outra completamente diferente é um trabalho para entregar e que exigiu horas de pesquisa. E o pior, é acusarem-me de "ter descido muito baixo" e colocarem a amizade que tenho por essas pessoas em causa por não querer emprestar o meu trabalho para copiarem. Estarei a ser egoísta? Talvez! Mas irrita-me que alcançem os mesmos resultados que eu, ou até melhores, à minha custa e sem terem qualquer vergonha na cara. Bem, na altura explodi, confesso. Porque já não é a primeira nem a última vez que a mesma pessoa não se dá ao trabalho de mexer o rabinho e fazer alguma coisa da vida. Seja antes dos testes, para trabalhos, ou me liga ou está sempre a perguntar banalidades que só não sabe por mera preguiça! Chega a um ponto em que satura. E depois disso, o "desceste muito baixo" ficou-me ali atravessado, deixou-me a remoer e achei que o melhor era pedir desculpa por ter exagerado. Exagerei, é verdade...mas mantenho a minha opinião e lamento, mas cansei-me de trabalhar para os outros.

4 comentários

Comentar post

Beatriz, 17. Ciências e Tecnologias


Seguir

Follow

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D